Como ensinar o bebê a dormir?

Postado por: Denise Gurgel

Fui convidada juntamente com a Maiana, minha sócia na Oficina "Soninho Bom” do bebê para conversarmos com a Chris do site Amamentar é



No desespero para que o bebê durma recorremos às técnicas disseminadas em livros, que normalmente são muito rígidas e não levam em consideração as subjetividades de cada família.

Muitas famílias se resolvem das mais diversas formas. Cama compartilhada, se mudar para o quarto do bebê, chupeta, mamadeira, dar uma volta de carro, deitar na rede com o bebê… Mas tudo parece funcionar por um curto prazo de tempo e logo o problema volta.

O que mais chama a atenção é que a partir de um certo ponto a família não pensa mais em outra coisa, a não ser que o bebê TEM que dormir senão o mundo acaba. Neste processo obstinado perde-se a possibilidade de perceber o próprio bebê, suas capacidades, limitações e por fim atrapalhamos a única coisa que pode realmente trazer a solução, que é ele próprio se desenvolver fazendo a aquisição de novas capacidades.

Bebês e crianças não são maquininhas que funcionam ou não. É imprescindível que mães e pais tenham em mente que algum nível ( mais alto ou mais baixo ) de privação de sono ocorrerá quando o bebê chegar da Maternidade e mesmo mais tarde em fases de grandes mudanças e acontecimentos. Não tem jeito!

No início de nossas vidas precisamos ficar muito (MUITO! ) perto do corpo materno (e quando este não está disponível, de algum corpo humano ); não nascemos capazes de fazer longos ciclos de sono; e por último nós mamíferos mamamos à noite, horário, aliás, em que a descida do leite se faz ainda mais eficiente. Isso tudo faz parte da natureza humana.

Nessa conversa veja o quanto não nos damos conta do processo de desenvolvimento e amadurecimento dos nossos bebês. Uma das coisas mais importantes dita nesse bate papo é: observe o seu bebê.

O cuidado de uma mãe é adaptativo, ou seja ele deve naturalmente/espontaneamente se adaptar às necessidades do bebê, e estas mudam o tempo todo e rapidamente.
Um bebê de semanas não é igual a um de 2 meses, que não se iguala a um de 5, nem ao de um ano. E assim segue pela vida.


Texto: Chris Nicklas