Manual de Instruções

Postado por: Denise Gurgel

Bom seria se os bebês tivessem um manual de instrução próprio. Como não tem os pais muitas vezes buscam todo o tipo de informação sobre os pequenos em livros.
A grande questão é que cada cultura possui uma forma de cuidar dos pequenos. Não sei se você já teve oportunidade de assistir o documentários Bebês (2010). Ele foi dirigido por um cineasta francês chamado Thomas Balmes. O cineasta acompanha o nascimento e o primeiro ano de vida de quatro bebês. Ponijao, de Opuwo, na Namíbia, Bayarjargal, na Mongólia, Mari, de Tóquio, e Hattie, de São Francisco, nos EUA.
Ponijao vive com seus pais e oito irmãos mais velhos. Ele faz parte da tribo Himba, em uma pequena aldeia. Bayarjargal, chamado de "Bayar”, mora com sua mãe, pai e irmão mais velho numa pequena fazenda da família. Mari é filha única e tem um estilo de vida urbano contemporâneo, é de uma área metropolitana de Tóquio, no centro de todos os barulhos da cidade. E, por fim, Hattie, que tem pais muito envolvidos em seu dia a dia. (Fonte: site GNT)
O documentário é rico em diferenças e semelhanças desde o nascimento. O bebê da Namíbia engatinha na terra nu, brinca com ossos de animais, é cuidado e amamentado por todas mulheres da tribo e participa intensamente da vida comunitária da sua cultura. A bebê norte-americana é cercada de uma cuidadosa obsessão com a higiene, vive cercada de brinquedos e atividades. O ambiente de Bayar e Mari são bem diferentes também. O bebê da Mongólia vive numa fazenda e está o tempo todo entre animais domésticos, bois, cabras e galinhas. Pelo trabalho dos pais cuidando dos animais ele passa muito tempo sozinho ou com o irmão e descobre o mundo dessa forma. Já o ambiente da bebê japonesa é totalmente urbano, cercado de tecnologia e dessa forma ela tem contato direto apenas com um gato de estimação.
Cada mãe, família e comunidade possui uma forma diferente de cuidar dos pequenos. Pode até parecer estranho para nós alguns cuidados e por isso o documentário se torna ainda mais especial. E a conclusão que tirei ao assisti-lo é que os bebês são curiosos para a vida e que a nossa grande missão é ajudá-los e eles nos ensinam como quando, por que e onde. É só clicar na foto e encante-se com a fofura dos bebês 




0 Quem gosta de shantala comenta.:

Postar um comentário